|Contactos|


 
LIVROS SOBRE ESOTERISMO
CONSTANTES DA BIBLIOTECA DE FERNANDO PESSOA
COMENTÁRIO

1-Introdução:

Realizada a recolha exaustiva e integral da lista de livros sobre esoterismo, artes divinatórias e temas conexos existentes na biblioteca pessoal de Fernando Pessoa, cumpre aprofundar a investigação, através da análise e comentário da listagem obtida.

Pretende-se, por um lado, caracterizar quantitativamente a biblioteca esotérica do poeta e, por outro lado, traçar as vias de estudo subsequentes, no âmbito dos subgrupos temáticos identificáveis na listagem.

2- A biblioteca esotérica de Fernando Pessoa

Apresentamos, antes de mais, a listagem integral que delineámos, na qual se segue de forma estrita a subdivisão e ordem constante da lista publicada na revista “Tabacaria”, nº 0, de Fevereiro de 1996, páginas 63 a 93.

Classe 0 – Generalidades, progresso, obras de referência, periódicos, organizações de carácter esotérico e semi-secreto

- 0-1 Blavatsky, H. P. , Les origines du rituel dans l’eglise et dans la maçonnerie, traduit de l’anglais, Adyar, pamphlets, nº 109-110, Paris Adyar, (19-?), 70 p.
- 0-2 Bournand, François, Histoire de la franc-maçonnerie des origines à la fin de la révolution française, Paris, H. Daragon, 1905, 304 p.
- 0-4 Cahill, E., Freemasonry and the anti-christian movement, 2nd ed., Dublin, M.H. Gill & Son, 1930, XXIX, 217 p.
- 0-5 Castells, F. de P. , Our ancient brethren the originators of Freemasonry: an introduction to the history of rosicrucianism dealing with the period A.D. 1300-1600”, London: A. Lewis, 1932, 308 p.
- 0-6 Gaston-Martin, Manuel d’histoire de la Franc-Maçonnerie Française, 2 ème ed. rev. et corrigée, Paris: Les Presses Universitáires de France, 1932, XII, 284 p.
- 0-7 Gibson, John George, Builders of man: the doctrine and history of masonry or the romance of the craft, 2nd ed., Newcastle-Upon-Tyne, The Northumberland Press, (19-?), XV, 248 p.
- 0-8 Grantham, J. A., An introduction to Mark Masonry, Buxton: J. E. Clare, Devonshire Library, 1934, 68 p.
- 0-9 Hall, Manly P., The lost keys of Freemasonry on the secret of Hiran Abiff, introd. Reynold E. Blight, 4th. ed. London: Rider and Co., 1931, XXIV, 100 p.
- 0-11 (An) Introduction to royal arch masonry, London: Rider & Co., 1931, 111 p.
- 0-12 Jennings, Hargrave, The rosicrucians, their rites and mysteries, 4th. ed. London: George Routleoge and Sons, New York: E. P. Dutton and Co., (1--?), 464 p.
- 0-14 Manual do Franc-Maçon do rit(ual) francez ou moderno por um Cav.(aleiro) Roz. Cruz, 4ª ed. correcta e consideravelmente melhorada, Lisboa: Typ. Maçónica Lusitana, 1905, 330 p. Na obra figura a data 5905 que faz parte do calendário maçónico.
- 0-17 Newton, Joseph Fort, The builders: a story and study of Masonry, London: George Alen and Unwin, 1918, 224 p.
- 0-18 Poncins, Léon de, Les forces secretes de la revolution: F(ranc)-M(açonnerie) - Judaisme, Paris: Éd. Bossard, 1929, 310 p.
- 0-20 (The) scottish workings of craft masonry, complete and accurate, London: A. Lewis, 1898, XIX, 130, (38) p.
- 0-21 Waite, Arthur Edward, The brotherhood of the Rosycross: being records of the house of the holy spirit in its inward and outward history, London: William Rider and Son, 1924, XXIII, 649 p.
- 0-22 Waite, Arthur Edward, Emblematic free masonry and the evolution of its deeper issues, London: William Rider and Son, 1925, 301 p.
- 0-24 Witemans, Fr., Histoire des Rose-Croix, Pref. W. H . Denier van der Gon, 3 ème ed., Paris: Adyar, 1925. 233 p.

Classe 1 - Filosofia

- 1-1 A thousand and one notable nativities: The astrologie´s “who’s who”. London: Modern Astrology Office, 1911, 125 p. Alan Leo’s Astrological Manuals; 11
- 1-2 Antunes, João, O edipus: a história e a filosofia do hermetismo. Lisboa: Clássica Ed. 1917. 222 p. Psicologia experimental; 10
- 1-4 Bailey, E. H., Astrology and birth control. London: W. Foulsham & Co. (1920). 62 p. Foulsham´s books for students of astrology.
- 1-19 Carter, Charles E. O., Symbolic directions in modern astrology. London: W. Foulsham and Co., (19-?). 94 p.
- 1-20 Charubel, The degrees of the Zodiac Symbolized: to which is added a translation by “Sepharial” of a similar series found in “La Volaspera”. 2nd. ed. London: Women’s Printing Society, 1907. XI, 136 p. Alan Leo’s Astrological Manuals; 8.
- 1-23 Churchill, Lida A., The Magic Seven. 12 th. ed. London: L. N. Fowler and Co., 1911. 88 p.
- 1-24 Churchill, Lida A., The Magnet. Wimbledon: The Anglo-American Book Co., (1--?). 63p.
- 1-25 Clood, Edward, Occultism: two lectures delivered in the Royal Institution on May 17 and 24, 1921. London: Watts and Co., 1922. 72 p. Reprinted, with additions, from the “Hibbert Journal”.
- 1-30 Collins, Mabel, Light on the Path and Karma. With notes and comments by M. (abel), C. (ollins). London: Theosophical Publishing Society, 1912, 102 p. A series of small books on devotional subjects.
- 1-32 Conybeare, Fred Cornwallis, Myth, magic and horals: a study of christian origins. Ist. ed. London: Watts & Co. 1909. XVIII, 376 p.
- 1-33 Corbyn, Raymond, Symboles initiatique et mystéres chrétiens. Préf. André Lebey. Paris. Lib. Maç., 1929. 126 p.
- 1-35 Croysdale, Agnes; George Wilde, Your destiny and the stars: the inequalities of man’s lot an the only logical conception of it; Prima facie evidence and horoscopes of famous people. London: W. Faulshom and Co. 1915. 1v.
- 1-36 Davidson, D.; H. Aldersmith, The great pyramid, its divine message: an original coordination of historical documents and archaeological evidences. 4th. ed. rev. London: Williams and Norgate, 1927. V. Só existe 1º v.
- 1-37 Delanne, Gabriel, Le phénomène spirite: témoignages des savants. 6 ème ed. rev. et completée. Paris: Leymarie Ed. 1909. VIII, 304 p.
- 1-38 Doath, Heinrich, Medical astrology, 2nd. ed. London: L. N. Fowler & Co., 1914. XII, 117 p. Alan Leo’s Astrological Manuals; 9.
- 1-39 Drummond, Henry, Natural law in the spiritual world. 2nd ed. London: Hodder and Stoughton, 1903. X. 112 p.
- 1-43 Field, Claude, Shadows cast before: an anthology of prophecies and presentiments. London: William Rider & Son (1--?). XI, 233 p.
- 1-45 Fludd, Robert, Traité d’astrologie générale: étude du macrocosm, Anotée et Trad. par Pierre Piobb, Paris: H. Daragon, 1907, 293 p. Bibliothèque des sciences maudites.
- 1-47 Fontenelle, Bertrand le Bouvier de, Histoire des oracles. Paris: Librairie de la Bibliotéque Nationale, 1892. 152 p. Collection des meilleurs auteurs anciens et modernes.
- 1-54 Geley, Gustave, Reincarnation. Introd. Gabriel Gobron. Transl. from the french by Ethel Archer. London: Rider & Co., (19-?). 63p.
- 1-59 Grasset, J., L’occultisme hier et aujourd’hui: Le merveilleux préscientifique. Préf. M. Émile Faguet. 2 ème ed. Montpellier: Coulet et Fils Éditeurs, 1908. 471 p.
- 1-61 Green, H. S., Directions and directing: a sequel to “the horoscope in detail”. Foreword by Alan Leo. London: Modern Astrology Office, 1910. 81 p.
- 1- 62 Green, H. S., Mundane or national astrology: a short introduction to the study of the effects and their inhabitants. London: Modern Astrology Office, 1911. 134 p. Alan Leo’s Astrological Manuals, 13.
- 1-63 Green, H. S., The “reason why” in Astrology or a philosophy and first principles, 2nd ed. London: Modern Astrology Office, 1910. 131 p. Alan Leo’s Astrology Manuals; 6. Second edition of theorical astrology, revised, amplified, and partly rewritten.
- 1-67 Hartmann, Franz, Magic white and black on the science of finite and infinite life: containing practical hints for students of occultism. Ist. ed. London: Kegan Paul, Trench, Trübner & Co., 1904. 298 p.
- 1-68 Henderson, A., The wheel of life: a study of palingenesis in its relation to christian truth. London: Rider and Co., Imp. 1931. 63 p.
- 1-70 Hubert, M. H., Étude sommaire de la représentation du temps dans la religion et la magie: avec un rapport sommaire sur les conferences de l’exercice 1904-1905 et le programme des conferences por l’exercice 1905-1906. Paris: École Pratique des Hautes Études, 1905. 67p.
- 1-76 (The) Kabbalah unveiled, transc. Macgregor Mathers, Knorr von Rosenroth, 4th. ed., London: Kegan, Paul Trench, Trobner and Co., 1926, XIII, 360 p.;
- 1-84 Le Breton, John, The white-magic book. London. C. Arthur Pearson, 1930. XXX, 100 p.
- 1-85 Leadbeater, C. W., Clairvoyance. 3rd ed. London: The Teosophical Publishing Society, 1908, 181 p.
- 1-86 Leadbeater, C. W., Invisible helpers. 3rd ed. London: The Teosophical Publishing Society, 1912, 128 p.
- 1-90 Leo, Alan, The art of synthesis: formerly issue as how to judge a nativity. 3rd ed. rev. London: Modern Astrology Office; L. N. Fowler, 1912. XVI, VIII, 184 p. Astrology for all series; 4.
- 1-91 Leo, Alan. Astrology for all. 4th ed. London: Modern Astrology Office; 1910. X, 346 p. Astrology for all series; 1. Apêndice contendo 4 conferências proferidas pelo autor em Londres na Theosophical Society em Maio e Junho de 1900 sob o título Astrology Exoteric and Esoteric.
- 1-92 Leo, Alan, Casting the horoscope. 3rd ed. London: Modern Astrology Office; 1912. XXVII, 356 p. Astrology for all series; 2.
- 1-93 Leo, Alan, Horary astrology: showing how to obtain an answer to any question… together with a table of the Planet’s essential dignities. London: Modern Astrology Office; 1909. 138 p. Astrology for all series; 7.
- 1-94 Leo, Alan, How to judge a nativity. 3rd ed. London: Modern Astrology Office; 1912. XX, 336 p. Astrology for all series; 3.
- 1-95 Leo, Alan, The key to your own nativity: analytical readings of every position in a nativity based on scientific principles. London: Modern Astrology Office; 1910. XXIII, 317 p. Astrology for all series; 6.
- 1-96 Leo, Alan, Mars: the war lord: being the substance of public lectures delivered before the Astrological Society. Ludgate: Modern Astrology Office; 1915. 99 p.
- 1-97 Leo, Alan, The progressive horoscope: a sequel to the art of synthesis … with its influence in character and destiny, the effect of transits … a complete treatise on primary directions 2nd ed. rev. London: Modern Astrology Office; 1913. XVI, 353 p. Astrology for all series; 4.
- 1-100 Manual of cheirosophy: being a complete practical handbook of the twin sciences of cheirognomy and cheiromancy: by means where of the past, the present, and the future may by rend in the formation of the hands preceded by an introduction. London: Ward, Lock and Co., 1885. 319 p.
- 1-151 Master of Therion, Magic in theory and practice: being part III of book 4, Paris, Lecram Press, (19-?), XXIX, 122 p.;
- 1-120 Piobb, P.V. Le secret de Nostradamus et de ses célèbres prophéties du XVI ème siécle: les prédicitons sur la France depuis 1792 et spécialement pour 1927 et les annés suivantes. Paris: Adyar, 1927. 217p.
- 1-121 (The) Psychic research quarterly. ed. Kegan Paul, Trench, Trubner and Co. vol. I, nº 1 (1920). London: K.P.T.T., 1920, vol. 1, nº 1. Existe apenas o 1º número.
- 1-123 Raphael, Edwin, The guide to astrology: containing a complete system of genethliacal astrology in one volume. London: W. Foulsham and Co., 1905. 132p.
- 1-124 Raphael, Edwin, Raphael’s prophetic almanach or the prophetic messenger and weather guide with witch is incorporated Orions’s almanac. 106 th. Ed. London: W. Foulsham and Co., 1926. 130 p. Na obra o autor consta como “The astrologer of the 18th. Century”.
- 1-126 (The) Ring of return: an anthology of references to reincarnation and spiritual evolution: from prose and poetry of all ages. Compil. Eva Martin. London: Philip Alan & Co. [1927]. XI, 306 p.
- 1-137 Sepharial, Astrology and marriage: the influence of planetary action in courtship and married life. London: W. Foulsham, [19-?]. 59 p.
- 1-138 Sepharial, Directional astrology: to which is added a discussion of problematic points and a complete set of tables necessary for the calculation of arcs of direction. London: William Rider and Son, 1915. IX, 119 p.
- 1-139 Sepharial, The Kabala of numbers: a handbook of interpretation. London: William Rider and Son, 1911. 168 p. The New Thought Library. Magic, alchemy and occult science.
- 1-140 Sepharial, The solar epoch: a new astrology thesis. London. W. Foulsham and Co., [1--?]. 90 p.
- 1-141 Sepharial, The theory of geodetic equivalents: in relation to mundane astrology including many remarkable proofs and striking prophecies. London: W. Foulsham & Co., [19-?]. 61 p.
- 1-148 Synesius, A astrologia: a astromancia kabalistica; A astrologia scientifica judiciária e esférica. Lisboa: Clássica Ed., 1917. 271 p. Psicologia Experimental; 11
- 1-149 Taylor, H. M., Reincarnation refuted. London: The Power-Book Co., [19-?]. VIII, 123 p.
- 1-156 Velho, A. A. Martins, O espiritismo contemporâneo considerado como sciência positiva e experimental. Lisboa: Clássica Ed., 1915. 408 p.
- 1-158 Waite, Arthur Edward, The holy grail: its legends and symbolism, London: Rider and Co. (etc.), 1933, 624 p.;
- 1-159 Wemyss, Maurice, The wheel of life on scientific astrology. London: L. N. Fowler and Co., [19-?]. 3 V.
- 1-160 Wilde, George, Chaldean astrology: how to cast and read the horoscope and calculate star courses. 2nd. ed. London: Messrs W. Foulsham & Co., 1909. 150 p.
- 1-161 Wilde, George, A primer of natal astrology for beginners: how to cast the horoscope and read its happy auguries or portents. 3rd. ed. Yorkshire: The Rexo Publishing Co. 1911. 88 p.

Classe 2 – Religião, Teologia

- 2-1 777: vel prolegomena symbolica ad systemam sceptico misticae viae explicandae – fundamentum hieroglyphicum sauctissimorum scientiae summae”, London (etc.), The Walter Scott Publishing Co., 1910, 54 p..
- 2-47 Protocols: procèss-verbaux de réunions secrètes de sages d’Israel. Paris: La Vielle-France, 1920. 144 p. Artigos publicados no jornal “La Vielle France”, durante o ano de 1920.
- 2-61 Shortt, A. G., Adam’s calendar and other chronological prophecies of the Old Testament. London: Rider & Co., [1--?]. 127 p.

Classe 3 – Ciências Sociais

- 3-62 Portugal. Leis decretos, etc. Sociedades Secretas: Lei nº 1901, de 21 de Maio de 1935: [leis e regime jurídico sobre as sociedades secretas, nomeadamente maçonaria portuguesa] Pref. Dr. José Cabral. Lisboa: Império, 1935. 142 p.

Classe 5 – Matemática, ciências naturais

- 5-29 Raphael’s astronomical ephemeris of the planets places for 1802. 3rd. ed. revised and corrected. London: [s.n.], 1911. 30 p. Contém apenas quadros astrológicos sem qualquer texto.

Classe 6 – Ciências aplicadas, medicina, tecnologia

Classe 7 – Arte, desporto

Classe 8 – Língua, linguística, literatura


- 8-74 Bruno, Sampaio, Pseud. O Encoberto. Porto: Liv. Moreira. 1904. 383 p.
- 8-131 Crowley, Aleister, The confessions of Aleister Crowley: the spirit of solitude an autohagiography subsequently re-antichristened, London: The Mandrake Press, 1929, 2 V.
- 8-228 Gomes, Quinto Império. Pref. Fernando Pessoa. Lisboa: Parceria António Maria Pereira, 1934. 61 p.
- 8-273 Huxley, Aldous, Do what you will: essays. London: Chatto and Windus. 310 p.
- 8-481 Rosa-Cruz, Frades, Secret Shakespearean seals: revelations of Rosicrucian Arcana: discoveries in the Shakespeare plays, sonnets and works printed circa 1586-1740. Nottingham: J. Jenkins, 1916. VII, 88 p.
- 8-527 Steiner, Rudolf, L’esprit de Goethe d’apres Faust et le conte du serpent vert. Trad. Gemaine Claretie. Paris: Alice Sawerwein, 1926. 92 p.
- 8-501 Yeats, William Butler, A selection from the poetry of W. B. Yeats. Leipzig: Bernhard Taucnitz. 1913. 270 p. British Authors; 4384

Classe 9 – Geografia, biografia, história

- 9-5 Azevedo, João Lúcio de, A evolução do sebastianismo. Lisboa: Clássica Ed., 1918. 255 p.
- 9-32 Godwin, William, Lives of the necromaners or an account of the most eminent persons who have claimed for themselves or to whom has been imputed by others the exercice of magical power. London: Chatto and Windus, 1876. XVI, 282 p. The Golden Library.
- 9-48 Matter, M, Saint-Martin, le philosophe inconnu: sa vie et ses écrits: son maitre Martinez et leurs groupes d’aprés les documents inédits. 2 ème ed. Paris: Didier et Cie., 1862. XI, 460 p.

Para além do que resulta de forma óbvia dos títulos, na identificação dos volumes a considerar nesta listagem consideraram-se os nomes de autores que reconhecemos como relevantes no âmbito esotérico e espiritualista, em alguns casos mesmo quando o título da obra em causa poderia justificar a sua exclusão da nossa recolha.

Anote-se que restam algumas (naturais) dúvidas de classificação, relativamente a alguns livros constantes da biblioteca, tendo em conta o objecto desta recolha, tanto no que se refere à sua inclusão na listagem, como quanto à sua ausência na mesma.

Um caso a rever será o da entrada 1-6, uma obra de W. F. Barret com o título “Psychical research”.

Registe-se, ainda, que a colocação do volume de Master of Therion na listagem corresponde de forma exacta ao que consta da lista bibliográfica consultada, pelo que o salto na numeração não corresponde a lapso nosso.

3- Análise quantitativa

A biblioteca de Fernando Pessoa, tal como se encontra preservada na Casa Fernando Pessoa, é integrada por 1055 volumes, agrupados da seguinte forma:

Classe 0 – Generalidades, progresso, obras de referência, periódicos, organizações de carácter esotérico e semi-secreto: 24 volumes

Classe 1 – Filosofia: 162 volumes

Classe 2 – Religião, Teologia: 74 volumes

Classe 3 – Ciências Sociais: 76 volumes

Classe 5 – Matemática, ciências naturais: 33 volumes

Classe 6 – Ciências aplicadas, medicina, tecnologia: 11 volumes

Classe 7 – Arte, desporto: 11 volumes

Classe 8 – Língua, linguística, literatura: 592 volumes

Classe 9 – Geografia, biografia, história: 72 volumes

Uma primeira constatação, que nada espanta, é a de a área de formação e de vocação de Fernando Pessoa – língua, linguística e literatura - congregar 56,11% dos volumes que integram a biblioteca.

No que se refere à temática da nossa recolha, verificamos a seguinte subdivisão de volumes, por classe:

Classe 0 – Generalidades, progresso, obras de referência, periódicos, organizações de carácter esotérico e semi-secreto: 17 em 24 volumes, isto é 70,83%.

É o que se esperaria, tendo em conta a menção expressa, na temática da classe, ao esoterismo, mas não deixa de ser relevante que a amplitude do interesse de Pessoa por este tipo de assuntos se revele de forma tão expressiva numa classe, ainda assim, integrada por temas muito diversificados.

Classe 1 – Filosofia: 58 em 162 volumes, o que significa 35,80%.

Pese embora nos pareça discutível a integração nesta classe de vários volumes, que melhor caberiam, porventura, na classe anterior, pode-se tomar em linha de conta uma dupla observação, pois não só confirmamos pela análise da sua biblioteca o sério interesse que o poeta dedicou à filosofia, como também podemos qualificar, sem grandes hesitações, a filosofia esotérica como umas das áreas às quais dedicava especial atenção.

Classe 2 – Religião, Teologia: 3 em 74 volumes, correspondendo a 4,05%.

Neste caso sentimos a necessidade de ser mais críticos: em rigor, nenhum dos três volumes considerados deveriam, a nosso ver, estar integrados nesta classe, pois pareceria mais curial a sua integração numa das duas classes anteriores.

Classe 3 – Ciências Sociais: 1 em 76 volumes (1,32%).

O volume único em apreço trata-se da Lei das Sociedades Secretas, de 21 de Maio de 1935, pelo que parece correcta a integração nesta classe, sendo igualmente óbvio o interesse que Fernando Pessoa dedicou ao assunto, como atesta o seu célebre artigo, publicado no “Diário de Lisboa” a 4 de Fevereiro de 1935.

Classe 5 – Matemática, ciências naturais: 1 em 33 volumes (3,03%).

Trata-se de um livro sobre astrologia, que por força do seu título foi claramente mal classificado, como se de um estudo acerca de astronomia se tratasse.

Classe 6 – Ciências aplicadas, medicina, tecnologia: 0 em 11 volumes (0%).

Classe 7 – Arte, desporto: 0 em 11 volumes (0%)

Classe 8 – Língua, linguística, literatura: 7 em 592 volumes, o que significa 1,18%.

Os livros desta classe que integrámos na nossa listagem resultam de situações bastante particulares, justificativas da sua classificação na mesma: a “autohagiografia” de Aleister Crowley; dois livros portugueses sobre a temática sebastianística e do quinto império; dois livros sobre esoterismo na literatura; uma obra de Aldous Huxley cujo título corresponde a uma máxima de Aleister Crowley e, por fim, uma obra de Yeats, que é esotérico, pelo menos, ele próprio, nomeadamente pela participação na Golden Dawn.

Classe 9 – Geografia, biografia, história: 3 em 72 volumes, ou seja 4,16%.

A presença nesta classe de volumes integrados na temática esotérica não merece qualquer comentário particular, pelo que reservaremos a nossa atenção para os livros que aqui estão em causa, individualmente considerados.

São, portanto, 90 os livros registados na nossa listagem, o que nos permite quantificar a temática que nos importa neste estudo em 8,53% da biblioteca de Fernando Pessoa. No entanto, se realizarmos o cálculo sem considerar os livros constantes da classe 8, isto é, afastando por um momento a literatura do nosso campo de visão, concluímos que os livros sobre esoterismo e espiritualidade são 15,77% da biblioteca do poeta (73 em 463)

Na listagem que elaborámos predominam os livros em língua inglesa (68), sendo 14 os volumes em língua francesa e apenas 8 os itens listados em português.

De entre as edições inglesas, registe-se a presença de 12 volumes editados pela “Modern Astrology Office”, 6 pela “Rider and Co.”, 5 da “William Rider And Son”, 3 da “W. Foulshan & Co.”, 2 da “Kegan, Paul, Trench, Trubner and Co.”, 2 da “The Teosophical Publishing Society”, 2 da “Chatto and Windus” e 2 da “A. Lewis”, todas editoras de Londres.

Nas editoras francesas destacam-se, na nossa listagem, a Adyar (3 volumes) e a Daragon (2).

Em Lisboa, merece referência especial para a Clássica Editora, origem de metade dos livros em língua portuguesa que acima referimos.

Quanto aos autores, a esmagadora maioria surge na listagem com apenas uma obra. São excepções:
- Alan Leo, com 8;
- Sepharial com 5;
- Aleister Crowley com 3;
- Arthur Edward Waite com 3;
- H. S. Green com 3;
- Edwin Raphael com 3;
- George Wilde com 3;
- A. Lida Churchill com 2;
- C. W. Leadbeater com 2.

Dos 90 livros da listagem 36, isto é 40%, referem-se a astrologia (30) e a artes divinatórias (6), o que confirma a predilecção de Pessoa por esta temática.

Havendo aqui base para um amplo e profundo estudo, não será, no entanto, matéria a considerar na nossa investigação, pois o nosso interesse centra-se nas sociedades iniciáticas e na magia, por força de objectivos mais vastos que orientam os nossos estudos.

Assim sendo, sobre astrologia e artes divinatórias limitar-nos-emos a referir, muito brevemente, curtas notas sobre os autores acima destacados, por contribuírem com mais do que uma obra para a biblioteca de Fernando Pessoa.

Alan Leo (William Frederick Allan) nasceu a 7 de Agosto de 1860 em Londres.

Tendo-se interessado pela astrologia, veio a contactar outros astrólogos britânicos no final do anos 80 do século XIX, tendo aderido à Sociedade Teosófica em 1890, no âmbito da qual fundou, em 1915, a “Astrological Lodge”.

Editou a “Astrologer’s Magazine”, também em 1890, inicialmente com a colaboração de Frederick W. Lacey. O sucesso da iniciativa permitiu-lhe avançar para a actividade editorial, através da “Modern Astrology Publishing Company”, entre cujas edições constam vários volumes do próprio Alan Leo.

Morreu em 1917 .

Sepharial (Walter Richard Old) nasceu em 20 de Março de 1864 em Handsworth (West Bromwich, Birmingham, Inglaterra).

Ter-se-à interessado desde muito novo pelo misticismo e pela astrologia, sendo que em 1886, por força de um noivado falhado, decidiu dedicar-se exclusivamente aos seus estudos, dos quais resultou a publicação de, pelo menos, 58 livros.

Correspondeu-se com Helena Blavatsky a partir de 1887, tendo assumido posição de relevo na “Teosophical Society”.

Rompeu mais tarde com a teosofia, convencido de que os seguidores de Blavatsky, após a morte desta, estavam a produzir informação falsamente atribuída aos mestres (mahatmas). Veio, aliás, a publicar vários artigos procurando desmascarar o logro.

Anteriormente (1888) tinha-se ligado a Alan Leo e a Frederick Lacey, publicando artigos na “Astrologer’s Magazine”. Em 1896 formaram a “Astrological Society”, de que Sepharial foi presidente em 1921.

Foi Sepharial quem apresentou Leo e Lacey a Helena Blavatsky e, assim, os fez aproximar-se da teosofia.

Morreu em Brighton, a 23 de Dezembro de 1929 .

H. S. Green e Edwin Raphael foram também astrólogos, relacionados com o grupo de Alan Leo, pelo que podemos concluir que os quatro autores que acabamos de referir têm uma origem histórica, geográfica e relacional comum.

George Wilde é contemporâneo dos demais e igualmente britânico. No entanto não o podemos ainda relacionar, à falta de dados biográficos exactos.

Iremos, portanto, centrar o nosso estudo daqui em diante nos demais 54 volumes da biblioteca de Pessoa, cujo objecto difere da astrologia e das artes divinatórias.

Numa última anotação quantitativa, valerá a pena referir que encontramos na nossa listagem:
- 14 livros sobre temática maçónica;
- 10 sobre magia;
- 6 sobre temas que podemos sumariar integrando-se no ocultismo (inclui-se livros acerca do Graal, martinismo, antroposofia e a citada obra de Yeats);
- 5 relativos à Rosa Cruz;
- 5 acerca do espiritismo (incluindo-se volumes sobre a reincarnação);
- 2 sobre Kabbala;
- Apenas 1 livro, directamente, sobre a Teosofia.

4- Análise qualitativa

Uma verdadeira apreciação qualitativa dos volumes da biblioteca de Fernando Pessoa, que incluímos na nossa listagem, exige a continuação dos nossos estudos sobre as notas e sublinhados constantes dos mesmos.

Trata-se de um trabalho de investigação ainda em curso, relativamente ao qual podemos sintetizar apenas, por ora, o que passamos a descrever.

As anotações e apontamentos constantes dos livros existentes na biblioteca de Fernando Pessoa já estudados parecem ter sido apostas, ao menos na sua esmagadora maioria, pelo próprio poeta, o que se alcança por comparação com as notas existentes noutras obras incluídas na mesma biblioteca e, indirectamente, pela coerência dos assuntos relevados com o que conhecemos, com base noutras fontes, acerca da vida e interesses do poeta.

Quanto às obras de Aleister Crowley, apurámos que Fernando Pessoa possuiu as seguintes:
- “The confessions of Aleister Crowley”, Volume I e Volume II, Mandrake Press, London, 1929;
- “Liber 777”, The Walter Scott Publishing Co., Ltd., London, 1909;
- The Master Therion, “Magick in theory and practice (being part III of book 4)”, Lecram Press, 26 Rue d’H… (?), Paris, sem data.

As “Confessions …” são a autobiografia de Crowley, do seu nascimento, a 12 de Outubro de 1875, até cerca de 1923, no amargo rescaldo do falhanço da experiência da Abadia de Thelema, na Sicília.

O livro divide-se em seis volumes, dos quais Pessoa apenas possuiu os dois primeiros - os únicos editados em 1929 e durante a vida de Crowley - os quais referem apenas, no que diz respeito ao trajecto esotérico do autor, a fase correspondente ao seu percurso até à adesão à “Golden Dawn” e às peripécias da cisão desta, da qual resultou, entre outras, a organização dirigida pelo Mago, que para simplificar referiremos como “Astrum Argenteum”.

Esses dois volumes contêm, ainda, extensa descrição das viagens de Crowley pelo mundo e as suas múltiplas aventuras de alpinista, terminando antes do “Advento do Aeon de Hórus”.

As notas de Fernando Pessoa nestes dois volumes são muitas, podendo agrupar-se, temática e quantitativamente da seguinte forma:
- Referências a aspectos concretos da vida de Crowley ou à sua personalidade: 11
- Magia, Cabala, ocultismo e iniciação: 11
- Sociedade, incluindo a condição feminina: 8
- Política e cidadania: 5
- Filosofia, religião e espiritualidade: 3
- História: 2
- Poesia: 1
- Astrologia: 1

Convirá anotar ainda alguns aspectos especialmente relevantes, decorrentes da análise desses apontamentos e sublinhados.

Na página 229 do primeiro volume, Crowley refere a sua leitura da “The Kabbalah Unveiled”, na tradução de Mathers, a propósito do que Pessoa nada anota ou aponta, se bem que esse livro faça parte (ou tenha vindo a fazer, posteriormente) da sua biblioteca, e tenha merecido por parte do poeta leitura particularmente atenta.

Em boa parte, a ausência de anotações em vários capítulos do segundo volume, relaciona-se com o facto de conterem essencialmente a descrição de viagens e expedições realizadas por Crowley.

Há, de toda a forma, nesse mesmo volume múltiplas referências à actividade esotérica e mágica, nomeadamente à “Golden Dawn”, que não mereceram qualquer anotação por parte de Fernando Pessoa.

É, ainda, de registar que na página 305 do segundo volume Crowley refere-se expressamente ao “... my 777...”, ou seja o seu “Liber 777”, livro que Pessoa afirmou já possuir quando teve conhecimento das “Confessions ...”, sem que no entanto aquela referência tenha merecido qualquer anotação ou apontamento por parte do poeta.

O “Liber 777” trata-se de um dicionário de correspondências de elementos mágicos, que Crowley pretendia constituir para o ocultismo o que “... Webster or Murray is to English language.” .

Neste volume Pessoa nada anotou de relevante, com excepção de um curto sublinhado no texto introdutório, onde Crowley sustenta que aprendeu a não usar os pontos de vista do céptico e do místico segundo a mútua tolerância dos sub-contrários, mas sim através afirmação dos contrários, o que, em seu entender, implica uma transcendência das leis do intelecto, que corresponde à loucura no homem comum e à genialidade no super-homem.

Muito embora, como se assinalou, o livro não identifique Crowley como seu autor, o facto é que contém de forma absolutamente clara a indicação de se tratar de uma edição da A A (isto é, da “Astrum Argenteum”, como se disse já uma organização esotérica liderada pelo Mago), a qual é ali definida como “... um conjunto de pessoas que conseguiram atingir a condição que tem sido várias vezes descrita como... “ a de “santos”, “mahatmas”, “mestres”, “adeptos” “... e assim por diante, consoante os acidentes de tempo e de lugar.”.

O “Magick ...” é, efectivamente, um manual de magia, contendo pormenorizadamente elementos sobre a sua teoria e prática.

Fernando Pessoa não colocou neste volume qualquer anotação ou sublinhado, o que nos leva a colocar a hipótese, desde logo por comparação com os outros livros da sua biblioteca que analisámos, de que o poeta nem sequer o tenha lido.

A explicação para tal facto pode decorrer de este volume integrar um poema de Crowley, o “Hymn to Pan”, que se sabe ter sido traduzido para português por Pessoa, com o título de “Hino a Pã” e publicado na revista “Presença” nº 33, Julho-Outubro de 1931 , podendo assim admitir-se que o poeta apenas tenha utilizado este volume para esse propósito específico.

A análise da notas e sublinhados de Fernando Pessoa ao “(The) Kabbalah unveiled” (transc. Macgregor Mathers, Knorr von Rosenroth, 4th. ed., London: Kegan, Paul Trench, Trobner and Co., 1926, XIII, 360 p.) são inúmeras, demonstrando à saciedade o interesse que o poeta dedicou à leitura deste livro.

Muito embora não tenhamos ainda concluído o trabalho de análise deste livro, interrompido, por força de circunstâncias diversas, desde Outubro de 2004, após cinco sessões de trabalho, poderemos, ao menos, sumariar os dados já recolhidos.

Está em causa um volume em formato aproximadamente B5, de capa dura, preto e com dizeres na lombada a dourado.

É uma obra muito complexa acerca da Kabbalah, da qual consta um prefácio escrito pela mulher de Samuel Liddel Mathers, autor da tradução do livro nesta versão inglesa.

Esclareça-se, muito brevemente, que Mathers nasceu em 8 de Janeiro de1854, na cidade de Londres.

Tendo dedicado a maior parte da sua vida ao ocultismo, teve como mentores Woodman, Westcott e Anna Kingsford, com os quais viria a participar na “Hermetic Order of The Golden Dawn”.

Pese embora o facto de ter acolhido Crowley na “Golden Dawn”, veio a gerar-se uma terrível querela entre ambos – que o primeiro afirma textualmente ter implicado autênticos combates mágicos -, a qual se pode afirmar ter acabado por conduzir a extinção da Ordem, ao menos na sua feição original.

Mathers morreu em 1918 .

Chirstian Knorr von Rosenroth, autor da obra traduzida por Mathers, viveu no século XVII (1636 / 1689), tendo nascido na Silésia (Alemanha). Os seus estudo sobre ocultismo terão sido bastante influenciado por Jacob Boehme (1575 / 1624), filosofo místico alemão. A “Kabbalah denudata” foi a primeira tradução do “Zohar” do hebreu para o latim .

O sentido essencial das notas e sublinhados do poeta, neste livro, é a marcação sequencial, de forma muito precisa e intensa, das explicações dadas no livro, passo a passo, acerca dos conceitos cabalísticos.

Por outras palavras, trata-se de um sequência de leitura profunda, não de um assinalar de determinadas passagens muito específicas, pelo seu particular objecto ou, por exemplo, por referência a uma pessoa, local ou acontecimento.

É um anotar de quem está a estudar, a procurar aprender, não de quem deixa notas esparsas tendo em vista facilitar a identificação de uma certa passagem ou referência, numa consulta futura do mesmo livro.

Mais do que outras referências, porventura incompreensíveis sem o recurso directo ao livro, propriamente dito, valerá talvez a pena transcrever aqui algumas passagens escritas pelo punho de Pessoa, no próprio volume


Na página 19, encontramos um traço a lápis, ao alto e no lado direito do texto, englobando:

“… connecting link, is required, and hence we arrive at the form which is called potential existence, will still scarcely admit of clear definition.”

À esquerda do texto apontado foi escrito à mão, a lápis, de forma bem legível:

“static”

Por seu turno, na página 20 e à esquerda do texto, foi escrito à mão, a lápis, de forma bem legível:

“Sem
Sem Fim
Sem Fim Luz”

Anote-se que o texto à margem do qual se escreveu segue, cabalisticamente, até “... ain soph aur = the Limitless Light ...”

Na página 24, à esquerda e a lápis, encontra-se escrito:

“sabedoria
(ou saber)”

Nota: O texto em causa versa sobre a Sephira Chokmah, “wisdom”.

E mais, adiante, na mesma página, surge anotado à esquerdo do texto, a lápis:

“entendimento
(comprehensão)”

Nota: O texto em causa versa sobre a terceira Sephira, Binah, “... the understanding...”.

Na página 29, encontramos, antes de mais, uma anotação à mão, a lápis, à direita:

“elder gods ?”

O texto que se encontra ao lado da anotação é o seguinte:

“These primordial worlds are called the “kings of ancient time”, and the “kings of Edom who reigned before the monarchs of Israel”.”

Para além das notas de investigação que acabamos de sumariar, apenas tendo em conta a listagem que elaborámos valerá ainda a pena, tecer ainda alguns comentários adicionais.

São, como se disse catorze os livros sobre maçonaria constantes da biblioteca do poeta:
- 0-1 Blavatsky, H. P. , Les origines du rituel dans l’eglise et dans la maçonnerie, traduit de l’anglais, Adyar, pamphlets, nº 109-110, Paris Adyar, (19-?), 70 p.
- 0-2 Bournand, François, Histoire de la franc-maçonnerie des origines à la fin de la révolution française, Paris, H. Daragon, 1905, 304 p.
- 0-4 Cahill, E., Freemasonry and the anti-christian movement, 2nd ed., Dublin, M.H. Gill & Son, 1930, XXIX, 217 p.
- 0-5 Castells, F. de P. , Our ancient brethren the originators of Freemasonry: an introduction to the history of rosicrucianism dealing with the period A.D. 1300-1600”, London: A. Lewis, 1932, 308 p.
- 0-6 Gaston-Martin, Manuel d’histoire de la Franc-Maçonnerie Française, 2 ème ed. rev. et corrigée, Paris: Les Presses Universitáires de France, 1932, XII, 284 p.
- 0-7 Gibson, John George, Builders of man: the doctrine and history of masonry or the romance of the craft, 2nd ed., Newcastle-Upon-Tyne, The Northumberland Press, (19-?), XV, 248 p.
- 0-8 Grantham, J. A., An introduction to Mark Masonry, Buxton: J. E. Clare, Devonshire Library, 1934, 68 p.
- 0-9 Hall, Manly P., The lost keys of Freemasonry on the secret of Hiran Abiff, introd. Reynold E. Blight, 4th. ed. London: Rider and Co., 1931, XXIV, 100 p.
- 0-11 (An) Introduction to royal arch masonry, London: Rider & Co., 1931, 111 p.
- 0-14 Manual do Franc-Maçon do rit(ual) francez ou moderno por um Cav.(aleiro) Roz. Cruz, 4ª ed. correcta e consideravelmente melhorada, Lisboa: Typ. Maçónica Lusitana, 1905, 330 p. Na obra figura a data 5905 que faz parte do calendário maçónico.
- 0-17 Newton, Joseph Fort, The builders: a story and study of Masonry, London: George Alen and Unwin, 1918, 224 p.
- 0-18 Poncins, Léon de, Les forces secretes de la revolution: F(ranc)-M(açonnerie) - Judaisme, Paris: Éd. Bossard, 1929, 310 p.
- 0-20 (The) scottish workings of craft masonry, complete and accurate, London: A. Lewis, 1898, XIX, 130, (38) p.
- 0-22 Waite, Arthur Edward, Emblematic free masonry and the evolution of its deeper issues, London: William Rider and Son, 1925, 301 p.

Constata-se, que cinco são livros sobre a história da maçonaria, um livro (julgamos ...) é de carácter anti-maçónico (E. Cahill), a obra de Blavatsky é de carácter comparativo, pois aborda as questões do ritual na Igreja e na Maçonaria, quatro referem-se mais directamente à Maçonaria, propriamente dita, e aos seus rituais e dois debruçam-se sobre questões simbólicas específicas (os da autoria de Hall e de Waite).

Desta sub-listagem decorre um óbvio interesse de Pessoa pela maçonaria, mas não nos parece constituir, sequer, um início de argumento para uma questão amplamente glosada e debatida: terá o poeta sido iniciado maçon ?

Devemos referir que muito embora estejamos em crer que uma biblioteca revela muito da personalidade e vida de uma pessoa – é essa, afinal, a primeira premissa desta nossa investigação-, não nos parece que se deva levar tão fundo os nossos raciocínios.

Não se é, certamente, maçon por se ler livros sobre maçonaria.

Deve ainda anotar-se que a maior parte dos livros desta sub-listagem são edições do final dos anos 20 e início dos anos 30 do século XX, pelo que a sua aquisição correu, necessariamente, na fase final da vida de Fernando Pessoa.

Quantos aos 10 livros sobre magia, podemos considerar verificar-se uma incidência elevada de livros com potencial prático:
- 1-23 Churchill, Lida A., The Magic Seven. 12 th. ed. London: L. N. Fowler and Co., 1911. 88 p.
- 1-24 Churchill, Lida A., The Magnet. Wimbledon: The Anglo-American Book Co., (1--?). 63p.
- 1-32 Conybeare, Fred Cornwallis, Myth, magic and horals: a study of christian origins. Ist. ed. London: Watts & Co. 1909. XVIII, 376 p.
- 1-67 Hartmann, Franz, Magic white and black on the science of finite and infinite life: containing practical hints for students of occultism. Ist. ed. London: Kegan Paul, Trench, Trübner & Co., 1904. 298 p.
- 1-70 Hubert, M. H., Étude sommaire de la représentation du temps dans la religion et la magie: avec un rapport sommaire sur les conferences de l’exercice 1904-1905 et le programme des conferences por l’exercice 1905-1906. Paris: École Pratique des Hautes Études, 1905. 67p.
- 1-76 (The) Kabbalah unveiled, transc. Macgregor Mathers, Knorr von Rosenroth, 4th. ed., London: Kegan, Paul Trench, Trobner and Co., 1926, XIII, 360 p.;
- 1-84 Le Breton, John, The white-magic book. London. C. Arthur Pearson, 1930. XXX, 100 p.
- 1-151 Master of Therion, Magic in theory and practice: being part III of book 4, Paris, Lecram Press, (19-?), XXIX, 122 p.;
- 1-139 Sepharial, The Kabala of numbers: a handbook of interpretation. London: William Rider and Son, 1911. 168 p. The New Thought Library. Magic, alchemy and occult science.
- 2-1 777: vel prolegomena symbolica ad systemam sceptico misticae viae explicandae – fundamentum hieroglyphicum sauctissimorum scientiae summae”, London (etc.), The Walter Scott Publishing Co., 1910, 54 p..

Temos aqui algumas perguntas sem resposta, que a nossa ver merecem investigação:
- Pessoa terá chegado à magia através do estudo da Kabbalah, eventualmente por intermédio do livro de Sepharial acima listado, sendo certo que este autor “entrou” na biblioteca do poeta, claramente, pela porta da astrologia?
- Terá procurado a magia por força da sua relação íntima com o paganismo, sabendo-se que Fernando Pessoa se aproximou, ao menos em dada fase da sua vida, de uma linha neo-paganista;
- Será, mais prosaicamente, que devemos considerar o desembocar na magia como uma consequência natural do interesse pelo ocultismo ?
- De toda a forma, visto estar comprovado que se ligou a círculos mágicos, terá Fernando Pessoa levado à prática o seu interesse pela magia ?

Parece-nos, ainda, interessante anotar que a biblioteca esotérica de Fernando Pessoa, olhada com exclusão dos livros sobre astrologia e artes divinatórias, se caracterizar essencialmente pelo seu eclectismo temático e diversidade de autores.

Consideramos tal característica como típica de um interesse intelectual pelo esoterismo e iniciação, demonstrando ainda a inexistência de uma posição sectária relativamente a esta temática.

Por fim, uma nota de algum espanto: não se encontram nas nossa listagem obras sobre a vertente cavaleiresca e templária do esoterismo.

Um ou outro volume com referências ao Graal não afastam, a nosso ver, esta conclusão.

É, no mínimo, insólito, quando sabemos que Fernando Pessoa mencionou expressamente na sua nota biográfica de 1935:
“Posição iniciática: Iniciado, por comunicação directa de Mestre a Discípulo, nos três graus menores da (aparentemente extinta) Ordem Templária de Portugal”

Há que prosseguir, nesta linha de investigação.

Lisboa, 8 de Dezembro de 2006

Pedro Basto de Almeida

__________________________________________________________________________________

C. Ravin, Esq., com Margaret E. Hone, em http://lovestarz.com/leo.html
Kim Farnell, em http://www.skyscript.co.uk/sepharial.html
Helena Barbas, http://helenabarbas.com/HinoPanHBarbas.Htm.
Victor Belém, “O Mistério da boca-do-inferno – o encontro entre o Poeta Fernando Pessoa e o Mago Aleister Crowley”, Casa Fernando Pessoa, Lisboa, 1995 , pág. 115.
http://www.golden-dawn.org/biomathers.html
http://www.kheper.net/topics/Kabbalah/Rosenroth.htm
Richard Zenith (Ed.) “ Fernando Pessoa- Escritos autobiográficos, automáticos e de reflexão pessoal”, Assírio & Alvim, Lisboa, 2003, pág. 205.